ReflexõesSustentabilidadeVida Natural

7 perspectivas interessantes para superar a obsessão por coisas materiais

Coisas materiais

Há 10 anos, a vida da minha família mudou dramaticamente.

Nós percebemos que as coisas materiais eram na realidade distrações que nos afastavam de uma vida de alegria, propósito e realizações. Foi isso o que nos motivou a aplicar o minimalismo em nossa casa.

Conforme nossa família de quatro pessoas começou a descartar objetos não essenciais, rapidamente descobrimos que tínhamos mais tempo, energia e foco para dedicar-nos a coisas mais importantes. Foi assim percebemos que nossas posses eram verdadeiros fardos.

Também compreendemos que muitos dos nossos pensamentos em relação a coisas materiais estavam incorretos. Antes acreditávamos em ideias equivocadas, que contribuíam para nosso estilo de vida de acumuladores. Aos poucos, com resiliência, começamos a mudar nossa maneira de encarar as coisas materiais enquanto íamos descobrindo os benefícios de possuir menos.

Se você ou sua família estiverem tendo dificuldades com essa obsessão em ter coisas, leia essas sete perspectivas que vão te trazer esperança para viver uma vida sem excessos:

1. Ter menos brinquedos é melhor para seus filhos

Os pais sempre querem o melhor para seus filhos. Mas, muitas vezes, nosso desejo em ajudá-los a aprender e realizar coisas termina numa acumulação excessiva de brinquedos. Você sabia que várias pesquisas afirmam que o oposto é melhor para eles? De acordo com qualquer estudo científico no assunto, ter menos brinquedos traz mais benefícios para seus filhos. Um deles diz que ao possuir menos, as crianças terminam inventando brincadeiras mais profundas e criativas, e também gerando hábitos mais saudáveis.

crianças

2. Comprar mais coisas para alimentar seus hobbies não vai te ajudar a aproveitar mais

Quem não conhece essa história: descobrimos um novo hobby (acampar, tocar um instrumento, tecer, realizar alguma arte, etc) e logo começamos a adquirir todas as ferramentas necessárias para realizá-lo. Conforme cresce nossa paixão por esse hobby, mais acumulamos produtos pensando que esses itens vão nos ajudar a desfrutar mais da atividade. Porém, como meu amigo Kristoffer Carter uma vez escreveu:

“Algumas vezes, nossa busca por coisas materiais termina sendo uma barreira para realmente aproveitar o hobby”.

Provavelmente poderíamos dedicar nosso tempo a melhorar habilidades e realizar mais o que gostamos de fazer ao invés de passar horas comprando novos equipamentos.

3. Você não será um melhor cozinheiro por ter mais utensílios de cozinha

Eu costumava pensar que algo sempre estava faltando na minha cozinha, um utensílio especial e super moderno. Não sei porque, mas sentia que um objeto a mais de plástico deixaria minha comida mais gostosa e que, assim, cozinhar seria uma experiência mais divertida. Quem nunca se sentiu frustrado ao tentar encontrar um utensílio escondido no fundo de uma gaveta?

Tudo mudou quando li um artigo de Mark Bittman, no jornal The New York Times, chamado Uma Cozinha Sem Frescura Também Cozinha. Mark, um especialista em comerciais de cozinha e chefs, mudou minha perspectiva completamente ao publicar uma lista com um número limitado de utensílios que seria suficiente para preparar qualquer receita. Imediatamente eu comecei a deixar minha cozinha mais minimalista. E assim nossa família se apaixonou por cozinhar.

4. Possuir uma casa maior não vai melhorar a vida da sua família

Esse é um conceito estranho se você parar pra pensar, mas escutamos isso todo o tempo. “Quantos mais metros quadrados sua casa tiver, mais feliz sua família será”. Como se, de alguma maneira, mais espaço fosse colaborar pra deixá-los mais próximos. No nosso caso, nossa família descobriu que o contrário faz mais sentido. Dentre diversos benefícios, percebemos que viver numa casa menor na realidade contribuiu para aproximar-nos muito mais. Isso nos encorajou a conversar mais e, assim, aprofundar nossos relacionamentos. Afinal, quando você não tem lugar pra se esconder dos seus problemas e discussões, você é forçado a confrontá-los e superá-los.

casa

5. Ter roupas extras no seu armário dificulta as suas manhãs

No livro O Paradoxo da Escolha, Barry Schwartz explica que a ausência de escolha não é o melhor ambiente para o ser humano. Porém, ele também afirma que ter muitas opções para escolher é igualmente negativo, já que isso nos deixa mais insatisfeitos. Essa é uma perspectiva surpreendente em muitos aspectos – você pode assistir Barry explicando sua teoria aqui.

Pensando nessa linha de raciocínio, a abundância de opções realmente não facilita nossa vida. Na verdade isso a torna mais complicada. Nós compramos cada vez mais roupas e ornamentos pensando que ter mais opções para vestir vai tornar nossas manhãs mais eficientes. Infelizmente, acontece o contrário, e o excesso de opções somente contribui para dificultar as coisas.

6. Ter mais televisões não deixa sua família mais feliz

De acordo com as estáticas, uma casa americana tem em média mais televisões que pessoas. Esse fenômeno provavelmente é resultado do sentido comum de pensar que mais é sempre melhor. No caso dos aparelhos televisivos, existe uma suposição de que se cada membro da família puder ver o que quiser, quando quiser, todos serão mais felizes. Novamente, com nossa experiência descobrimos que o contrário termina sendo mais positivo.

Anos atrás, nossa família composta por quatro decidiu se livrar de quase todas as televisões da casa, deixando apenas uma. Para nós, esse era somente um experimento, no início. Logo, percebemos que ao ter somente um aparelho em nosso lar nos aproximamos muito mais. Passamos a ver menos TV e mesmo quando decidíamos ver alguma coisa, assistíamos juntos, em família.

Leia mais: Em apenas 4 anos, casal transforma quintal em mini-fazenda urbana

7. Os melhores presentes que você pode dar aos seus filhos não são comprados com dinheiro

Pouquíssimas das memórias mais felizes da minha infância envolviam posses materiais. Ao invés disso, quando olho para trás e lembro desses momentos, o exemplo que meus pais me deram e os valores que eles me ensinaram são muito mais valiosos. Nenhum desses presentes que moldaram minha vida poderiam ser adquiridos numa loja.

criança

Enquanto tentamos superar as promessas vazias e a tentação de possuir mais coisas, deveríamos sempre lembrar de todos esses benefícios em ter menos. Vamos permitir que nossas perspectivas se transformem para valorizar o que é realmente verdadeiro, nobre e positivo!

Texto traduzido de Becoming Minimalist.

Regiane Folter
escrito por:Regiane Folter
Sigo minha vida escrevendo e vivendo, pra ter sobre o que escrever. Sou filha, irmã, companheira, amiga, mãe de catioros e gatíneos. Também sou poetisa de fim de semana, sonhadora compulsiva e leitora serial. Comecei a escrever quando ainda nem sabia direito falar. Depois aprendi a viajar e a viver minhas histórias antes de publicá-las. Espero um dia viver das coisas que escrevo para ter mais tempo pra estar com quem amo, cuidar de quem precisa e ter a infinita sorte de aprender mais sobre o mundo.

1 Comentário

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: