Reflexões

O segredo da felicidade é ver beleza em tudo (mesmo nas coisas feias)

Ao longo de cada dia da nossa vida acontecem diversas situações. A maneira como reagimos a essas situações diz muito sobre como vamos levar a nossa vida. Qualquer um consegue ver beleza nas coisas bonitas. Isso não é tão difícil. Olhar para o topo de uma montanha e vê-la coberta de árvores, ouvir o som do mar diante de você e sentir sua respiração desaparecer. Ver a preciosidade de uma criança pequena e ser aquecido por sua inocência ou encontrar paz na quietude de uma paisagem intocada. Quando essas cenas te encontram ou saímos para encontrá-las, é uma experiência maravilhosa.

Nesses momentos, nos sentimos pequenos e grandes, livres e conectados. A questão, claro, é que na vida não há momentos desses o suficiente. Nem chegam perto de ser suficiente. Na verdade, o segredo para a felicidade e uma grande vida é descobrir como criá-los o tempo todo, onde quer que você esteja.

Encontre poesia em tudo

Se você puder ver as coisas de maneira objetiva e clara, ficará mais contente, menos vazio, menos tentado. Mas por outro lado, a vida é suficientemente desagradável, dura o suficiente, e a capacidade de encontrar poesia em tudo – mesmo no mundano ou no mórbido – é uma habilidade poderosa. Na verdade, também é a chave para a felicidade.

As pegadas suaves de um gato em um carro empoeirado. A neblina da manhã. O cheiro do asfalto assim que a chuva começa a cair. Ninguém diria que essas coisas se comparam a um pôr do sol sobre uma montanha ou uma chance de testemunhar um desempenho de um artista em um espetáculo. Mas o que é mais comum? Qual você encontrará na sua frente com mais frequência?

O mesmo vale para um chão cheio de brinquedos de criança, arrumados no caos do prazer exausto. Um passeio pela rua quando a música parece se alinhar exatamente com o ritmo dos eventos. O prazer de conseguir algo antes de um prazo, a quietude temporária de uma caixa de entrada de e-mails vazia.

Podemos esquecer tão facilmente, na vida, a aleatoriedade absurda, mas de alguma forma funcional, coordenação deste mundo que chamamos de lar, essa coisa que conhecemos como existência. O que tinha que acontecer para estarmos aqui, neste planeta, neste momento. Quer tenha sido um Deus (ou deuses) que nos trouxe até aqui, ou uma acumulação inestimável de acidentes evolutivos, ambos são igualmente modestos e maravilhosos se pensarmos neles. Ambos tornam as situações comuns tão bonitas quanto as épicas.

felicidade

Leia mais: Meditação para começar bem o seu dia

Ensinamentos dos filósofos 

Dizem que os estóicos (movimento filosófico que surgiu na Grécia Antiga) são difíceis de ler porque são negativos, mas isso é imediatamente refutado em frases do livro Meditações de Marco Aurélio, imperador Romano. Em uma passagem, ele percebe a maneira como “ao fazer pão ele se divide e observam-se aquelas rachaduras, embora não sejam intencionadas pela arte do padeiro, chamam nossa atenção e servem para estimular nosso apetite”. Em outro, ele elogia o “charme e fascínio” do processo da natureza, os “talos de grãos maduros se curvando para baixo, a testa franzida do leão, a espuma pingando da boca do javali”. “Passe por este breve trecho de tempo em harmonia com a natureza”, ele escreve sobre sua mortalidade: “Venha ao seu lugar de repouso final graciosamente, assim como uma azeitona madura pode cair, louvando a terra que a nutriu e agradecida à árvore que a permitiu crescer.”

Leia mais: A verdade sobre a felicidade: onde encontrá-la

Poderíamos agradecer a seu professor de retórica particular, Marcus Cornelius Fronto, pelas imagens nessas passagens vívidas. Cornelius Fronto, amplamente considerado o melhor orador de Roma ao lado de Cícero, foi escolhido pelo pai adotivo de Marco Aurélio para ensiná-lo a escrever e falar. Fronto pensava que ele estava preparando Marco Aurélio para falar em público, mas na verdade, Marco Aurélio usou as habilidades que adquiriu para sua filosofia particular. Essas frases poéticas foram mantidas em sigilo e nunca compartilhadas, escritas sem um pensamento de quem poderia lê-las.

Em vez disso, elas foram usadas ​​para um exercício importante. Marco Aurélio estava escrevendo para si mesmo, buscando discernimento e sabedoria, tentando encontrar a verdade e a beleza em todas as partes da vida – de modo que pudesse encontrar felicidade e significado nelas. E assim também devemos fazer – se não quisermos nos exaurir e nos cansar da aspereza e negatividade que nos cerca.

leão

Leia mais: Revolução grisalha, a cor da liberdade

Encontre verdade e beleza em todas as partes da vida

O economista Russ Roberts escreveu um poema recentemente chamado “Wonder, Bread (Maravilhoso, Pão)”, que é uma ilustração brilhante dessa prática. Seu poema é uma espécie de homenagem tola aos insights de Adam Smith: quão magnífico e estranho é você poder sentir uma pontada de fome, caminhar até uma loja e encontrar, lá na prateleira, o próprio pão que alguns minutos atrás você não tinha ideia que queria. Como eles sabiam? Quem são as “pessoas” que fizeram isso? O que os motivou? Por que eles fizeram um trabalho tão bom?

Mesmo situações genuinamente ruins podem ser belas. Olhando para trás e enxergando paixão e animação na raiva de outra pessoa. Rindo da “perfeição” de alguma coisa que poderia dar errado. Reconhecendo o que há de impressionante em um desastre natural. Isso não é muito melhor do que ver o mundo como um lugar escuro?

Marco Aurélio passou muito tempo com suas expressões demonstrando falta de consideração, mas ele passou a mesma quantidade de tempo desenvolvendo o olhar de um artista para encontrar beleza em eventos comuns ou aparentemente insossos. Ambos são essenciais, ambos são o trabalho do filósofo.

Uma pessoa que consegue ver só o lado ruim de uma situação, como um atraso em um voo, é uma pessoa que se encontrará presa em um “tempo morto”. Uma pessoa que consegue ver o mesmo atraso de voo de três horas como uma chance de aproveitar a vida, observar as pessoas, lembrar-se de quão sortudas elas são – essa é uma pessoa que realmente vive. E vive bem enquanto estiver viva.

Existe clareza em ver o que os outros não conseguem ver, em encontrar graça e harmonia em lugares que outras pessoas ignoram. Acima de tudo, existe felicidade.

Texto traduzido e adaptado de: The key to happiness is to see beauty in everything (even ugly things)

Natalie Andreoli
escrito por:Natalie Andreoli
Sou paulistana e desde 2009 decidi me mudar para a ilha da Magia (Florianópolis, SC), pois sentia falta do contato com a natureza. Sou neta de italianos e aprendi desde pequena a gostar de mexer na terra e cuidar das plantas, quando ajudava meu pai com a hortinha dele. Sou bióloga MSc., educadora ambiental e aromaterapeuta. Adoro aprender e compartilhar assuntos que proporcionem uma vida em melhor harmonia consigo mesmo, com os outros seres e com o planeta.

2 Comentários

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: