SaúdeVida Natural

Sujar-se de terra: o mais moderno antidepressivo

tumblr_ni4nr2jygt1u7e4b5o1_1280

Não há como negar que estar no jardim e colher o seu primeiro tomate traz uma sensação muito boa. Mesmo em um ambiente urbano, um pequeno vaso de manjericão no parapeito da janela pode iluminar o seu dia. Mas há uma explicação cientifica que justifique isso? Por que sujar as mãos nos faz sentir bem?

Em 2007, Christopher Lowry, professor do Departamento de Fisiologia Integrativa e do Centro de Neurociências na Universidade do Colorado em Boulder, assim como uma equipe de pesquisadores publicaram um artigo na revista Neuroscience, foram mais afunde nessa questão, quando questionaram se a sujeira seria uma nova Fluoxetina. Um estudo então examinou uma bactéria específica do solo, a Mycobacterium vaccae, e seu potencial papel na regulação do comportamento emocional.

Em outras palavras: será que as bactérias possuem propriedades antidepressivas?

“O solo, especialmente com matéria orgânica abundante, contém bactérias saprófitas, o que significa que elas vivem longe da matéria orgânica morta e apodrecida, tais como resíduos”, diz Lowry. “Os seres humanos co-evoluíram com estas bactérias por mais de mil anos, e elas têm demonstrado afetar o sistema imunológico de uma maneira a eliminar inflamações. Isto significa que estas bactérias podem ser úteis na prevenção ou no tratamento de doenças com processos inflamatórios”.

[Leia também: Pés no chão, energia e saúde]

 Então, o que exatamente, estas doenças inflamatórias?

“Isso inclui condições como a asma, mas também, talvez, transtornos psiquiátricos relacionados ao estresse, caracterizadas por inflamação elevada, tais como transtorno depressivo ou transtorno de estresse pós-traumático”, diz Lowry.

foot-1642072_640

 Não é tão surpreendente que podemos nos beneficiar de microrganismos no solo, uma vez que eles são necessários para vivermos.

  A regulação do sistema imunológico é de fato ligada à biodiversidade do ambiente natural. Nos beneficiamos de estar ao ar livre e expostos a coisas como solo e animais, pois dessa forma estamos expostos a microrganismos.

“Um ser humano não é um indivíduo. Somos ecossistemas. Pelo menos 90% das células no corpo humano são micróbios, a maioria deles vive no intestino “, diz Graham Rook, professor do Centro de Microbiologia Clínica da University College de Londres. “Estes organismos constituem o ‘microbiota”, e a microbiota deve ser considerada um órgão, como o fígado ou o cérebro. “

Enquanto os organismos que compõem a microbiota são herdados – assim como os genes – há uma proporção dos organismos que vêm de outros lugares, e é aí que as coisas começam a ficar interessantes.

56a833d4c35c1ae60777cb3a4654ba70

“Uma proporção desconhecida dos organismos que constituem a microbiota vêm do meio ambiente”, diz Rook.  “Agora parece que a explicação mais provável para os benefícios à saúde da exposição a fazendas, cães em casa e espaço verde é que o ambiente natural (incluindo os animais no mesmo) é um recurso que fornece organismos dos quais precisamos.”

Apenas no ano passado Rook publicou um artigo que explorou essas conexões, concluindo que a regulação do sistema imunológico é de fato ligada à biodiversidade do ambiente natural. Nos beneficiamos de estar ao ar livre e expostos a coisas como solo e animais, pois dessa forma estamos expostos a microrganismos.

Quando se trata de ser feliz ou não, muitos estudos mostram que problemas psiquiátricos são mais comuns em áreas urbanas do que em comunidades rurais. Isso faz com que a pesquisa de Lowry e Rook seja interessante, pois nos dá uma melhor compreensão do porquê estar fora, em um jardim ou em uma fazenda, nos faz sentir bem.

“As pessoas geralmente assumem que os benefícios para a saúde da exposição aos espaços verdes são devidos ao exercício. Na verdade dois grandes estudos agora demonstram que, embora o exercício seja definitivamente bom para você, não explica o efeito benéfico do espaço verde “, diz Rook. “O contato com a biodiversidade microbiana é a explicação mais provável para o efeito do espaço verde.”

[Recuperando a energia vital através do contato com a Terra]

Então, se os microrganismos são bons para você, quanta exposição é necessária para se colher os benefícios? Quantos dias no jardim são necessários? Isso é o que ainda não está claro.

“Nós ainda não sabemos o quanto a exposição às bactérias ambientais (por exemplo, por meio de atividades que envolvem o contato com o solo) são suficiente para conferir benefícios para a saúde”, diz Lowry. ” É claro, porém, que a exposição através da respiração ou consumir tipos específicos de organismos ambientais tem a capacidade de reduzir a inflamação e trazem benefícios à saúde.”
O que significa que agora você tem mais um bom motivo para ir lá fora e sujar suas mãos!

 

Jardim do Mundo
escrito por:Jardim do Mundo
Normal ou não, um clichê da sociedade contemporânea ou um casal unido por amor, afinidades e desafinidades, que transforma arte e ciências em pequenos projetos domésticos. Criar um jardim onde antes não se imaginava poder, provar de inúmeras receitas que são também oportunidades, utilizar e reutilizar ao máximo, aprender e aplicar princípios que projetam um estilo de vida mais simples e otimista, acreditando que podemos fazer algo de bom ou de belo enquanto fazemos algo para nós e não apenas para nós.

3 Comentários

  • Olá,
    Feliz por este post! Intuitivamente, comecei a praticar yoga com os pés na terra (e não mais no tapetinho) e tenho percebido os efeitos somáticos e psiquicos disto. Super potencializa minha prática de yoga, além de sentir de imediato o frescor da terra subindo pela minha coluna vertebral, sinto o aterramento dos membros inferiores, a respiração que flui mais livremente, e as emoções que brotam disto. Quando chove, ao invés de ver isto como um impedimento , fico mais satisfeita, pois potencializa ainda mais a prática. Aumenta minha percepção corporal e o equilíbrio necessário.
    Termino toda enlameada, mas nada que uma boa mangueira não resolva, rsrsrs
    Recomendo deveras!
    Namastê!!!!!

  • Interessante essa visão microbiana. No entanto acho que os benefícios vem também pelo lado emocional. Por exemplo, existem estudos que fotos de paisagens da natureza em ambientes hospitalares melhoram as condições emocionais dos pacientes. Neste caso não existe a exposição a bactérias. Acredito que ambos são importantes, bactéria e a parte puramente emocional. Mas na dúvida, sempre prefiro a emocional.

Deixe uma resposta

Junte-se a nós! Receba inspirações para uma vida mais leve no seu email.

Siga-nos