Viagem

Turismo colaborativo na era do compartilhamento

turismo colaborativo

A tecnologia avança, a sociedade vai mudando seus conceitos, sua dinâmica e o turismo não fica fora. Hoje, temos mapas e todas as informações sobre destinos na palma de nossa mão, já tiramos as fotos e compartilhamos em tempo real, fazemos nossas compras e reservas todas online.

Já antigamente, o cenário das viagens era mais ou menos assim:

  • Mapas de papel para não se perder;
  • Esperar alguns dias para revelar as fotos da viagem ou esperar chegar em casa para baixar todas no computador e só assim poder compartilhar com os amigos;
  • Precisar pedir informação nos estabelecimentos sobre aquele ponto turístico que você gostaria de conhecer;
  • Ligar de hotel em hotel para fazer reservas;
  • Comprar passagens por telefone;
  • Etc.

E com essa mudança na forma de se viajar, um fenômeno vem crescendo: o turismo colaborativo.  

Como é o turismo colaborativo?

Hoje encontramos dicas de viagens que usuários compartilham, alugamos um quarto na casa de um desconhecido, dividimos a mesa do jantar com estranhos, pegamos carona por aplicativos, deixando a viagem mais culturalmente rica e com um custo muito menor.

Tudo isso faz parte do turismo colaborativo. Ou seja, é um tipo de viagem que agrega muito mais experiências autênticas. Além disso, contribui com as finanças de todas as partes envolvidas.

Se você quer deixar a sua próxima viagem mais interessante, confira aqui alguns aplicativos e sites para usufruir do turismo colaborativo!

1. Guias e recomendações

Tem como objetivo coletar opiniões de usuários sobre destinos, hotéis, restaurantes e passeios. Ótimo para evitar surpresas desagradáveis ao chegar naquele hotel que não é nada do que mostrava nas fotos ou naquele passeio que tinha uma ótima propaganda, mas não cumpria às necessidades.

Existem vários sites que reúnem as opiniões de viajantes, alguns focados somente em gastronomia como o Destemperados ou gerais como Tripadvisor.

2. Hospedagem

Hospedagem gratuita, aluguel de casas ou “house sitting”, buscando sempre o custo mais baixo e uma maior gama de experiências culturais.

O Couchsurfing te permite buscar ou oferecer acomodação grátis, na casa de desconhecidos. No “House sitting” você se hospeda gratuitamente enquanto o dono da casa está viajando, em troca de cuidar da casa, dos animais de estimação e etc.

Já o aluguel de casas/cômodos já tem vários sites e aplicativos, como o Airbnb, para te conectar diretamente a alguém que está precisando de um quarto/apartamento vazio ou oferecendo um cômodo para aluguel.

Leia mais: 6 Dicas de como escolher um hostel

3. Hospedagem em troca de trabalho

Existem também sites que oferecem hospedagem em troca de trabalho, o chamado Work Exchange, geralmente em pousadas e hostels, por um tempo determinado. Ótimo para quem quer viajar, ter experiências novas e gastar pouco.

turismo colaborativo

4. Carros e caronas

Existem sites que você pode locar carros de pessoas comuns, por um tempo limitado e por um custo muito mais baixo que das empresas de locação ou também sites de caronas compartilhadas. Além do famoso Uber e similares, em que você utiliza o aplicativo para pedir corridas de táxi.

Leia mais: 6 Dicas para fazer um mochilão de bicicleta

5. Experiências com moradores locais

Mesmo que você não queira se hospedar na casa de um desconhecido, tem a opção de contatar moradores locais para te acompanhar em passeios pela cidade, ter uma imersão maior na cultura e no destino visitado. Também há sites para dividir mesas em restaurantes com desconhecidos, ou te conectar com chefs ou moradores que gostam de cozinhar e queiram receber pessoas em sua casa.

Então, pronto para praticar um turismo colaborativo?

Por: Luana Biral, do site SeguroViagem.org.

Jardim do Mundo
escrito por:Jardim do Mundo
Normal ou não, um clichê da sociedade contemporânea ou um casal unido por amor, afinidades e desafinidades, que transforma arte e ciências em pequenos projetos domésticos. Criar um jardim onde antes não se imaginava poder, provar de inúmeras receitas que são também oportunidades, utilizar e reutilizar ao máximo, aprender e aplicar princípios que projetam um estilo de vida mais simples e otimista, acreditando que podemos fazer algo de bom ou de belo enquanto fazemos algo para nós e não apenas para nós.

Deixe um comentário