Reflexões

Propósito, propostas e engajamento – É tempo de semear esperança!

propósito

Todos nós estamos aqui com missões interessantes. É inegável que cada qual tem a sua própria missão e que cada um traz consigo poder suficiente para realizá-la. O que ocorre, é que no percurso vamos nos lotando de insatisfações, excessos e cansaços, e o propósito original se perde. Uma vez perdidos de nosso próprio propósito, ficamos a mercê das pistas que nos chegam, que nos apontam caminhos e se não estamos despertos o suficiente não diferenciamos verdade de ilusão e, então, passamos a viver em função das promessas externas de salvação. Ficamos esperando heróis.

Nisto, um evento se instala: o nosso propósito é silenciado, as propostas não existem e o engajamento vira dependência. Uma dependência sempre gera certas doses de frustrações. Cedo ou tarde.

Mas e o que é o tal propósito?

Em sua definição, propósito é o que queremos alcançar, o que queremos fazer. Serve como um guia rumo à realização. Com toda essa força intangível que um propósito traz consigo, fica fácil entender que a falta dele é nociva. Se pensamos numa raiz, entendemos que o propósito dela é sustentar uma estrutura maior. Quando a raiz está fraca, a árvore muitas vezes cai. A planta se solta. É como se a raiz não tivesse propósito.

Conosco é a mesma coisa! Se não temos algo que nos segure em nossa verdade e com a verdade orgânica da vida, não temos como manter ou fazer crescer algo de bom em nossas vidas, na comunidade, no país e mesmo no mundo.

propósito

Leia mais: A cura para nós e para a Terra com a ecopsicologia

Mas propósito funciona sozinho? 

Propósito depende de um espaço ecologicamente saudável para que realize sua função.

De nada adianta ter um lindo propósito, se o meio ao meu redor está seco, árido, mal tratado. Muitas vezes, antes de entender nosso propósito, vamos ter que cuidar do solo que está além de nós e isso dá trabalho, exige tolerância, paciência e respeito. Nos desafia, mas nos devolve uma certa sanidade e entendimento do que de fato, queremos e somos.

Há uma confusão: Ter propósito em nada tem a ver com isolamento e excesso de eu. Ter propósito envolve vivenciar parcerias. Toda e qualquer realização pode até começar em nós, mas não se prolonga por muito tempo quando a “EUquipe” não aprende a ser equipe.

A nutrição de um propósito é o aprendizado, a convivência, a interação, a troca de experiências, a aceitação das diferenças sim, e é ai que chegamos ao sabor das propostas.

“São as propostas que fazem o propósito acontecer.”

Se existe propósito, mas não há a proposta do como fazer, com quem fazer, se não há um projeto, uma conversa, um ponto e um contraponto, uma ação ainda que mental, num primeiro momento, talvez o propósito fique apenas na instância do sonho.

Quando conscientes da beleza do propósito e abraçados a ele com leveza, começamos a sentir que um movimento concentrado, mas prático, é necessário para que não se tenha apenas mais uma ideia engavetada no próprio ser. Boas ideias paradas acabam por se igualar a água parada.

Com tal entendimento, fica bem mais fácil não se enredar numa teia de suposições, inverdades e egos inflados. Nada disso tem propósito, mas tem muito de ganância. Propósito é diferente da ganância. O primeiro tem a nobreza do bem que não exclui, mas que cuida, acolhe e respeita. O segundo tem a miséria da imposição, da exclusão. Traz consigo uma cultura de medo e ilusões de poder.

propósito

Leia mais: 7 razões para levar seus filhos para uma caminhada

Engajamento é abraço!

O propósito brotando e o encontro acontecendo. Quase sempre é assim.

Há uma fala bem comum no mundo dos projetos sustentáveis e de cultura de paz que é: “Quando você dá o passo de coragem, recebe os passos de ajuda”.

É tão poderosa a decisão de exercitar propósitos que as pessoas certas chegam, as situações fáceis se aproximam, as portas se escancaram e nem precisa empurrar.  Quando decidimos usar nossa missão para o benefício do mundo, o mundo nos beneficia naturalmente. E isso só acontece porque a intenção é liberta da posse, da recompensa.

Cada vez que sentamos numa roda, numa reunião,  com pessoas diferentes, quando vamos a um evento que nos aproxima da realização de nosso propósito, sentimos primeiro o aquecer do coração, depois o vibrar no intelecto. E sentimos no coração primeiro, porque propósito tem a ver com coração mesmo!

“O propósito é a pureza de todo nosso movimento na vida, é nossa identidade legítima e uma presença interessante ao lado dos outros e é por isso que acontece o engajamento.

Quando pessoas com tal energia se juntam, trazem consigo uma força linda e potente de transformação positiva no mundo. Transpõem as adversidades e restauram a configuração da harmonia.

Podemos dizer que enxergamos isso em ações negativas também, é claro, mas já notaram que a verdade aparece e reordena tudo? A raiz que sustenta as ações negativas se desfaz fácil e, por isso, precisa de muitas cercas e até de violência para existir. Mas, elas perdem a força hora ou outra, porque o engajamento era na ganância e não no propósito.

Engajamento é uma energia neutra. Podemos escolher no que queremos nos engajar. Certo, que quando é no propósito, há sustento e há sucesso.

Tenho aprendido que temer é normal, ainda mais em tempos de muita ganância e pouco propósito. Ocorre, que acima das turbulências existe o bem  genuíno, orgânico, isento das artificialidades. Sabe bem de verdade, mesmo?   Então … essa certeza agrega mais uma palavra ao trio propósito, propostas e engajamento, e a palavra é esperança !

Valeria Amores
escrito por:Valeria Amores
Val é de Santos, gosta do nascer e do entardecer alaranjado que o céu do litoral concede quase todo dia! Pedagoga, apaixonada por projetos sociais e por movimentos que incluam o uso de todo potencial criativo, ou seja, toda ideia é uma semente cheia de valores. Toda ideia é flor e fruto. Toda ideia alimenta e nutre algo. Vegana , mãe de duas almas lindas, pratica meditação Raja Yoga, voluntária e aluna nas atividades da Brahma Kumaris Brasil . Estuda gestão ambiental, cozinha bastante, cria receitas veganas, compartilha, ensina. Tem 37 anos e acredita no poder da ecologia e da sustentabilidade interna como motivadores para um mundo melhor. Comunicativa, silenciosa e também faladeira, risonha , gosta de escrever e papear sobre coisa elevadas e positivas. Adora desconstruir limites que nos prendem a gravidade e ao peso, acredita na psicologia positiva sempre e tanto, o quanto for possível e necessário. Vamos voar para as possibilidade de melhoria, que tá na hora!

1 Comentário

  • Que texto magnífico! Somente alguém com sensibilidade bem acima da média das pessoas (geralmente tão presas a assuntos que desviam a atenção para o que se deve olhar), poderia escrever algo tocante assim.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: